Afro-samba

setembro 13, 2007

powell_bade_afrosamba_101b.jpg

Como “Chega de Saudade” de João Gilberto se transformou em um divisor de águas na bossa nova, o disco “Os afro-sambas” de Baden Powell e Vinícius de Morais se transformou em um marco brasileiro do samba.

A combinação de instrumentos usados no Candomblé e na Umbanda (atabaques e afoxés) com alguns tipicamente brasileiros (agogô, saxofones e pandeiros) trouxe a tona uma musicalidade única, uma melodia forte, unindo de uma maneira diferente as características afro-brasileiras.

Pela ficha técnica do disco (via Som Barato) a gente consegue ter uma pequena idéia dessa confluência de ritmos:

* Produção e direção artística: Roberto Quartin e Wadi Gebara
* Técnico de gravação: Ademar Rocha
* Contracapa: Vinicius de Moraes
* Fotos: Pedro de Moraes
* Capa: Goebel Weyne
* Arranjos e regência: Maestro Guerra Peixe
* Vocais: Vinicius de Moraes, Quarteto em Cy e Coro Misto
* Sax tenor: Pedro Luiz de Assis
* Sax barítono: Aurino Ferreira
* Flauta: Nicolino Cópia
* Violão: Baden Powell
* Contrabaixo: Jorge Marinho
* Bateria: Reisinho
* Atabaque: Alfredo Bessa
* Atabaque pequeno: Nelson Luiz
* Bongô: Alexandre Silva Martins
* Pandeiro: Gilson de Freitas
* Agogô: Mineirinho
* Afoxé: Adyr Jose Raimundo

A mistura por si só, não poderia sair com tanta qualidade se não fosse feita por dois personagens importantes para a música popular brasileira, como Baden e Vinícius. O primeiro era um violonista espetacular, que explorou instrumentos de forma profunda e radical. O segundo foi um dos maiores poetas-músicos do mundo, que viveu a vida intensamente e conseguiu retratar esta intensidade em seus vários trabalhos. Tempos bom, que (eu acho) não volta nunca mais!

Salve Simpatia!

setembro 6, 2007

Para animar a festa, Jorge Ben Jor lança um novo CD com músicas “esquecidas” na sua antiga gravadora Som Livre.

“No CD Recuerdos de Asuncíon 443, as músicas “Falsa magra”, “O astro?”, “Duas mulheres”, “Emo”, “Zenon Zenon” e “Mexe Gal” têm os ingredientes básicos do samba pop desse inventor de um novo esquema de fazer o mais brasileiro dos ritmos.” anuncia Ben Jor em seu site.

O primeiro show com as novas músicas será na Fundição Progresso, no Rio de Janeiro.

As inéditas serão acompanhadas das já consagradas País Tropical, Banda do Zé Pretinho, Ive Brussel, O Telefone tocou novamente, dentre outros vários sucessos.